5 coisas grátis (ou quase) para fazer em São Paulo

Autor:

28 dez , 2015  

São Paulo é uma das dez cidades mais caras do mundo, de acordo com a revista Time. Mas não é obrigatório zerar a conta bancária para aproveitar a cidade que também tem uma das mais vibrantes cenas culturais do mundo. Comer por aqui continua caro – a não ser que você recorra muito aos carrinhos que vendem hot dog na rua – e pagar por entretenimento e bebidas também consome bastante do orçamento de um viajante médio.

No entanto, basta um olhar mais atento para encontrar programas gratuitos (ou muito baratos) na maior cidade do país. Com esse guia, você pode conhecer a cidade toda e gastar muito pouco. Confira:

Conheça os prédios que contam a história da fundação da cidade – Grátis

O centro de São Paulo tem prédios que remontam dos tempos coloniais e contam não só a história da cidade, mas do país. É possível agendar visitas a alguns deles, como o Martinelli – o primeiro arranha-céu da América Latina que aliás, tem fama de mal-assombrado – de graça. Visite também o Solar da Marquesa de Santos, que ficou famoso pelas festas que a marquesa – amante de D. Pedro I – realizava ali no século 19.

Faça um passeio noturno no centro – Grátis

A Caminhada Noturna Pelo Centro é um evento semanal temático que, ao mesmo tempo que apresenta os pontos importantes da região central da cidade, debate e informa sobre temas específicos. A cada semana, um tema é definido. As caminhas acontecem todas as quintas-feiras e são gratuitas – e o ponto de partida fica próximo a estação República do Metrô.

Sao Paulo, Brazil

Conheça a cidade de bicicleta – Cerca de R$2 por hora

Com a crescente rede de ciclovias e ciclofaixas na cidade, ficou muito mais seguro e agradável explorar São Paulo de bicicleta. Nossa dica: use as rotas de bicicleta no Google Maps para ver onde há ciclofaixas (é o traçado verde contínuo no mapa). Mas vale a pena pedalar pela Avenida Paulista, no Parque do Ibirapuera, pela Avenida Sumaré e na Avenida Faria Lima. A Vila Madalena também é um bairro imperdível, mas as ladeiras podem assustar se você estiver fora de forma.

Parque Sao Paulo

Se você não tem bicicleta, pode alugar uma. Aplicativos dos bancos Itaú e Bradesco permitem alugar bicicletas em diversos pontos da cidade. O valor é cobrado diretamente do cartão de crédito do usuário e fica, em média, por cerca de 2 reais por hora. Basta baixar os aplicativos para verificar as estações e bikes disponíveis em cada uma delas.

Mirante 9 de Julho – Grátis

Recém re-inaugurado, o espaço imediatamente atrás do MASP, na Avenida Paulista, não tem só uma vista privilegiada da Avenida 9 de Julho – um dos cartões postais da cidade. Semanalmente, a programação cultural do Mirante oferece shows, exposições e exibições de filmes, tudo sempre gratuito – confira no site oficial [https://mirante.art.br/]. Ainda tem um café e um espaço com restaurantes itinerantes, mas para usar o Mirante não é obrigatório comprar nada.

Avenida Paulista

Centro Cultural São Paulo – Grátis

Um espaço gigantesco ao lado do Metrô Vergueiro onde é possível fazer oficinas, assistir shows ou peças a preços honestos, ver exposições ou usar a biblioteca. Algumas atividades no cobram, mas os preços são sempre baratos, com ingressos de shows variando entre 15 e 30 reais.

Bônus: SP Honesta

Não falamos de comida, mas para completar a tour barata por uma das cidades mais caras do país, é fundamental conhecer os lugares certos para comer. O SP Honesta é um serviço gratuito que mostra opções de restaurantes bons e baratos em toda a cidade. A ideia é priorizar o custo-benefício, e é possível encontrar refeições completas de culinárias exóticas por menos de 20 reais, com bebida e sobremesa. A dica é comer no centro: há muitos restaurantes de imigrantes, que oferecem comida boa e diferente e cobram pouco.

Últimas Posts

The following two tabs change content below.

Ana Freitas

Ana Freitas tem 27 anos e é jornalista especializada em lifestyle e comportamento. Apaixonada pelo mundo, já viveu na Alemanha, na Holanda e no Panamá, e durante três anos viveu como nômade, trabalhando a distância e instalada em diferentes localidades. Com passagem por mais de 20 diferentes países, ela segue viajando sempre que os feriados prolongados permitem.

Brasil, Dicas de Viagem, São Paulo